A relação entre a mineração de criptomoedas e o consumo de energia

criptomoedas e o consumo de energia

Segundo um levantamento feito pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, o bitcoin consome mais energia do que toda a Argentina.

A mineração da cripto consome cerca de 130,9 Terawatt-horas por ano, enquanto a Argentina consome 125 Terawatt-horas por ano.


Fonte:  BBC/Divulgação

Mas, qual a relação entre a mineração de criptomoedas e todo esse consumo de energia?

Para minerar, é necessário realizar cálculos extremamente precisos e sofisticados, feitos através de computadores e aparelhos que realizam transações e processos 24h por dia.

A estimativa é que o consumo tenha sido de 121,36 Terawatts-hora (TWh) por ano e, para você ter ideia, um Terawatt equivale a 1 bilhão de kilowatts.

Ainda assim, o bitcoin não chega nem perto do gasto energético anual de diversos setores, como o bancário, por exemplo, mas tem levantado o debate sobre o real impacto ambiental dado ao alto gasto energético.

Segundo o diretor de produtos e parcerias da Transfero, Safiri Felix, todas as grandes indústrias consomem energia.

“O que o Bitcoin está fazendo é estimular o desenvolvimento de fontes de energia mais eficientes e mais sustentáveis.”

Energia limpa e a mineração de criptomoedas

Com a relação entre consumo e a preocupação com os gastos energéticos e seus impactos, um atenuante chega para somar e acrescentar ao debate.

A expectativa é que os preços do Bitcoin aumentem ao longo dos próximos ano, assim como o número de criptomoedas em circulação e, como consequência, o consumo de energia.

No entanto, segundo relatório da Arcane Research com os dados do BMC, isso não é algo a se preocupar, já que a mineração de bitcoin é mais verde do que a gente imagina.

Segundo o levantamento, 57,7% da energia elétrica utilizada para minerar bitcoins vem de fontes renováveis como eólica, solar, hidrelétrica e fontes emissoras de CO2, mas com compensação em créditos de carbono.

“Desde que os mineradores de Bitcoin começaram a receber incentivos econômicos para utilizar energia renovável, o poder de sustentabilidade no setor é estimado em 58%, quase três vezes maior do que a média mundial.”

 

Os números positivos têm uma explicação além de todo o consumo energético:

  • As principais fazendas de mineração estão localizadas na China, que tem como principal matriz energética o carvão;
  • Com a crescente procura por máquinas de mineração e mais pessoas entrando nesse mercado, a tendência global é que mineradores passem a se instalar em lugares que ofereçam energia limpa e barata;
  • Nos Estados Unidos, por exemplo, começaram a se formar bolsões de mineração de bitcoin, alimentados por energia solar, eólica e hidráulica, somados aos incentivos na compra de equipamentos específicos para mineradores.

Ainda nesse caminho, um novo acordo foi firmado para reduzir a pegada de carbono do Bitcoin, como objetivo de alcançar emissões zero até 2030.

O Crypto Climate Accord é a proposta montada por grandes empresas do setor de Bitcoin, que inclusive conta com a brasileira Hathor Network como aderente.

Fonte: BBC
https://www.bbc.com/news/technology-56012952

 

Gostou deste conteúdo?

Siga a Cordeiro nas redes sociais e seja sempre o primeiro a saber das atualizações do setor energético.

 

VEJA TAMBÉMA:

https://cordeiroenergia.com.br/energia-solar-a-maior-aliada-do-agroprodutor-em-tempos-de-crise/

https://cordeiroenergia.com.br/vale-realmente-a-pena-investir-em-energia-solar-em-casa/

https://cordeiroenergia.com.br/e-dificil-financiar-energia-solar-no-brasil-2/

Absolar prevê 2022 como o melhor ano da energia solar no Brasil
Energia Solar em Sete Lagoas– MG: quanto custa?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

SOLICITE UM ORÇAMENTO

Agora que você conhece os benefícios da energia solar fotovoltaica, solicite agora um orçamento grátis.

Menu